domingo, 24 de janeiro de 2016

Nada fala mais que a poesia.



- Estou indo.
- Até logo.

Deus sabe o tanto que eu clamei por isso
Que tudo acabasse.
Mas a despedida dói
Aperta o coração de lembranças.

Queria tanto poder recordar cada momento bom de novo
De novo, de novo e novamente.
Mas o que me resta é esse gosto de saudade
De notas soltas no ar que eu nem sabia mais tocar.

Cumplicidade.
Nada é tão real quanto dois sorrisos pares adoçando o ar pesado
Que tudo de negro vire pó e que só me reste o "nós".

 Não sei o que nos reserva, distância é solidão
É momentos tatuados em todos os lugares
E pra mim você foi sempre poesia
Meio torta talvez, 
Mas minha.

Ás vezes tenho que me lembrar que tudo que é demais machuca
E que mesmo sendo tão sua devo ser mais minha.

Vou tentar recompor meus olhos
Te recordar apenas como uma página rabiscada
Que mesmo manchada me cobriu de paz.

Apenas me ajude a continuar
Sozinha, mas ao teu lado.
Distante, e contigo. 

E a cada partida sua descubro incessantemente
 que sua chegada é cada segundo mais importante.



quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Buscando algum tipo de sentido.



- Você já foi melhor comigo. Está diferente.

(Silêncio)

- Sou a mesma de sempre. ( Seu idiota! Claro que estou diferente! Tive que mudar para ver se assim doesse menos, ou nossa aparente amizade fizesse algum tipo de sentido).



Mil cartas

Tantas portas eu abri Tentando te encontrar E tantas outras bati Para fingir que te esqueci. Tantas orações eu entoei Não ...