domingo, 27 de dezembro de 2015

Três lágrimas.



Tenho saudade de coisas que nunca tive
Mas é tão consistente quanto uma bola de sabão
Gosto tanto da solidão
Mas só se você estiver comigo.

Muitas vozes e risos pairam no ar
Quanta bagunça boa
Os meus, os seus e os nossos
Porque família é intimidade
E uma grande pitada de amizade.

Tudo tão natural quanto olhar para um avião
Só me deixe fazer um pedido?
Que tudo seja simples
Se eu quiser nós vamos,
Se você consentir eu quero.

E vamos ser uma espécie de amigos 
Sem esse clichê de amor que só faz chorar
Quando você pensar em mim seremos um
E quando eu admitir que sinto sua falta 
Apenas me busque.

Me leve para algum lugar que tenha música
Que ninguém seja par além de nós
Que nada dure para sempre
Mas que o tempo perdure
E infinite você aqui.

Queria sentir de novo seus lábios 
Tenho certeza que isso aconteceu
De alguma forma muito subjetiva
Nós nos casamos em alguma esquina por aí.

E foi lindo...
Vi três lágrimas caírem
Não espere, me enganei.
Isso foi agora.

(Vanessa Alves)


quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Uma história de amor não precisa de muita coisa para acontecer...




Eu
Você
Um drink ou dois?
Talvez.

Que mal teria nos apaixonarmos por um dia só?
É demais?
Tudo bem...
Uma madrugada.

Só me prometa que na segunda não haverá mais nada
Que pela manhã nem amizade existirá mais.
Por que se restar alguma coisa
Nem que seja um retrato
Eu não teria mais como voltar.

 É tipo um sonho bom
Um contrato 
De que somos nós
Quando não somos nem um.



domingo, 6 de setembro de 2015

Insignificantes



"Seus olhos e suas palavras são tão frias
Ah, mas ela queima
como rum sobre o fogo
quente e rápido e com raiva
Como ela pode ser
Eu caminho com os meus dias por um fio..."


O céu sorria em meio a tanta clareza de alma, tantas faces cheio de estrelas. E o fogo ardia, invadia. Rodopiava em meus olhos o seu nome, em minhas mãos sua presença e em meu coração sua falta. Em meio a tantos, estava sozinha. Porque ele era multidão, e ao mesmo tempo solidão. Não aquela que dói. Aquele tipo de tudo que só se sente dividido por dois.
E eu fugi com vontade de voltar. Querendo ser sentida. Fazer falta ao ponto de ser achada. Mas isso era um pequeno absurdo. Seria pedir demais. Desejar por algo que me faria lembrar. Lembrar de que não sou mais minha. Que tudo é metade do que tenho tanto receio de admitir. Dele.
Mesmo assim eu fui. Ali com as ondas que dançavam para mim. Ali minhas lágrimas seriam pequenas demais. Insignificantes. 
Mas lá na fogueira tinha alguém sozinho também.  
Que juntou sua solidão com quem menos esperava.  

domingo, 23 de agosto de 2015

Poesias Lentas.

                     

Querido Chico Bento...
Perguntas pairam na minha mente á respeito de ti, sobre nós. Dos dias mais nublados e das estrelas mais apagadas sempre sem respostas.
Seria porque o que procuro só encontro nos teus olhos, na tua presença, no teu toque.
Tenho medo do seu poder, fugir é minha maior serenidade, privar meu coração de minha loucura.
Esqueço que dentro de mim há muito de ti, dali não tenho como correr, onde eu estou, tu está.
Se não sabe o caminho descobre  o trajeto e vens . E pega minha mão.
Em noites de insônia nossos sorrisos pairam na escuridão mútua, esperando o sono chegar. E torcendo para que ele se perca para sempre.
De fotos são nossos momentos, em incontáveis lugares. Sempre cheio de poesia.
Por certo um drama mexicano com um toque de nafitalina.
Tudo que vem de ti me destrói aos poucos, será que não perceber isso? Mesmo eu já tendo lhe contado?
Ou será que sou uma ótima atriz, deve ser isso. Confias demais em minhas falhas palavras que se desmancham em poucos segundos.
Estamos em galáxias diferentes, so far far way... Mas por vezes elas se juntam, quão doces são esses momentos!
Querido Chico Bento tenha noção de que te amo e por isso não vamos ficar juntos, porque nem tudo que amamos podemos ter da forma que queremos, no nosso caso só em forma de poesias tristes e lentas.

(Vanessa Alves)

Mil cartas

Tantas portas eu abri Tentando te encontrar E tantas outras bati Para fingir que te esqueci. Tantas orações eu entoei Não ...