domingo, 26 de agosto de 2012

Há tempos, espero.



Há tempos não faço poemas.
Aqueles que lambuzam a boca sabe?
Não tenho tido muita compaixão de meus sentimentos. Eles estão mais intensos, mas sem escape.

Há tempos não me apaixono de verdade.
Aquelas bem arrebatadoras sabe?
Que faz a gente dobrar o joelho em oração, cantar a alma e bombear o coração.
Só afetos sem nomes.

Há tempos que meu ser não tem nome.
As cartas embaixo do travesseiro estão empoeiradas de saudade. Devolvidas ao remetente que ainda não mudou de casa.
E tudo vai virando pó, irritando o nariz e transbordando pelos olhos. Pesados.

E só ouço algo que me sussurra a cada segundo:
'Foud it, found it, found it...'
Mas não posso desistir de minha felicidade,
tenho apenas que mudar a direção de minhas esperanças.

( Vanessa Alves )
 


2 comentários:

Daíse disse...

Olá!!!!
Gostei de tudo o que vi aqui: textos, imagens... Aliás, você escreve muito bem!
Voltarei sempre!!!
Beijinhos!!!!

Murillo diMattos disse...

Concordo com a Daíse ai de cima... gostei desse seu espaço... tanto é que vou virar seguidor. Você é de uma sensibilidade óssea... aquela que parece dar cálcio na alma e em todo o resto do que diz respeito a emoção... li muitas, mas essa em especial me disse muito... pois estou em um período em que caço a minha poesia... ela saiu há alguns meses e ainda não retornou... mas sei que voltará. Você é um poetisa de lindas reflexões... gostei mesmo! Se quiser conhecer meus blogs é só acessar o meu portal: www.porticusinitia.blogspot.com.br

Abraços, sempre!!!....

Mil cartas

Tantas portas eu abri Tentando te encontrar E tantas outras bati Para fingir que te esqueci. Tantas orações eu entoei Não ...