segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Das vontades.





Eu queria que você não estivesse bem.
Na verdade quando penso em você, o vejo triste e cheio de saudade. Inundado de silêncios que consomem vazios.
E eu te sinto flutuar.
Na verdade quando penso em você, lembro de ti mais belo. Com mais escândalos.


Eu queria te ver chorar. Apenas uma vez.
Vê-lo despedaçado. Em cacos. Te sentir desfalecer em meus braços.
E eu queria te ver sorrir mais uma vez. E eu ser a desenhista.
Vê-lo em órbita. Giramos e Girando.


Eu queria te contrariar grossamente, delicadamente quanto a picada de uma borboleta mais atrevida.
Te assistir sem reação. Aquele silêncio medroso. Incoveniente.
E tudo pareceria perdido.
E eu me levantaria, te encararia por cinco segundos, longos. Te beijaria as covinhas da buchecha e te chamaria de bobo ao pé do ouvido.
E sairia por três passadas, morrendo de vontade de ser alcançada.

Faz assim...

                                Faz assim, me faz sentir que o ar é doce Que as noites foram feitas para dançar Que o escuro é ca...