domingo, 11 de setembro de 2011

Ridiculamente.






E os dedos dele roçaram docemente os ombros dela enquanto ele, com a desculpa de arrumar a manga da blusa, a tocou. E o carinho os encantou.

- Que foi?
- Nada...

E os dois sorriram.



E numa brincadeira a mão dele escorregou sobre o pescoço dela. Um arrepio inesperado. Algo aconteceu. Devia acontecer. Naturalmente.
Tão repentinamente o tom da risada mudou, o olhar virou um lindo abismo, o ar tornou-se mais respirável, algo floresceu.


E um ciúme apropriou-se deles. E o tempo que passavam juntos eram os mais ridiculos.

Eles adoravam isso.

Nenhum comentário:

Faz assim...

                                Faz assim, me faz sentir que o ar é doce Que as noites foram feitas para dançar Que o escuro é ca...