quarta-feira, 18 de maio de 2011



E o que ela não conseguia mais segurar dentro de si acabara de lhe escapar tão impiedosamente para o seu maior ponto fraco. O silêncio lhe apertava o coração e decidiu escapar.
As escadas pareciam eternas com seus olhos inundados de raiva. 
Já passava da meia noite, mais uma noite sem dormir. As pegadas estufavaam o chão de granito. Quatro pés cavalgando sem direção por noite á fora. Rastro de lágrimas.
E ela fugia dele. E ele tentava alcançá-la.
Seus corpos tremiam com o sereno. Mas só corriam. Suas vozes já abafadas esmurravam as paredes adormecidas. Um coração ferido. 
- Seu mentiroso! Você não cumpriu sua promessa. Você me fez chorar de novo...
A cidade escutava cada sílaba cansada. As estrelas, cada uma delas. Suas confidentes de lágrimas.
E nada disse.
Os dois sentados em um banco de praça. O que ela precisava era que ele apenas escutasse seu choro, finalmente. E ele ouviu cada gota bater em seus ombros. Cada palavra da alma dela clamar.
O corpo dela ainda tremia. E ali eles ficaram em silêncio enlaçados em um casaco esperando os raios do amanhã.

Vanessa Alves.

* Baseado em um "sonho" que tive.

Nenhum comentário:

Mil cartas

Tantas portas eu abri Tentando te encontrar E tantas outras bati Para fingir que te esqueci. Tantas orações eu entoei Não ...